segunda-feira, 22 de março de 2010

Uma canção

Quando eu estiver triste prometes-me um sorriso?
Quando eu estiver deprimido prometes-me um colo?
Quando eu estiver sem ti prometes-me um telefonema?
Quando eu estive aqui, sozinho, prometes-me companhia?
Se sim, eu fico. Se não, também. 
Não exijo. 
Nem quero. 
Nem posso.
Nem vou.
Apenas, meu amor, quero que saibas que te embalarei, mesmo nos piores momentos.
Meu amor, eu prometo, hoje, que este beijo é puro. E mais: É cândido. É uma meninice que não envelhece, apenas amadurece. Ficará grande. Não te prometo a eternidade nem a razão. Juro-te um coração puro, teu, eterno. Ah, meu amor, se a eternidade existir, eu juro. 
Calo-me.
Eu não vou sair daqui sem ti.


Luís Gonçalves Ferreira

6 comentários:

Diana C. Machado disse...

UiUi isso está forte está!

"É uma meninice que não envelhece, apenas amadurece." Gostei. E mai nao digo.

Luís Gonçalves Ferreira disse...

LOL! Tá muito forte. E não sei mesmo o que é isto.

Nádia Dias disse...

Estou cansada de repetir que é da Primavera. Mas deixem-se enganar por ela :) *

Nádia Dias disse...

PS - A ti e aos que muito juram: não prometam, façam. De boas intenções está o Inferno cheio!

(Olhem para o que eu digo, não para o que eu faço. Já há muito que me assumi como uma romântica incorrigível.)

:D *

Luís Gonçalves Ferreira disse...

A promessa já é um feito.

rita disse...

está tão bonito: "Quando eu estiver sem ti prometes-me um telefonema?" "Juro-te um coração puro, teu, eterno", as minhas 'passagens' preferidas (: