terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Aos 20 anos


20 anos. Surgiram naturalmente, como todos os que se lhe vão somar a seguir. Não custou a chegar aqui, porque sou feliz. Tenho amor, realização pessoal e académica e uma família estruturada. Sou um ser humano racional, mas extremamente sensível e instável. Com a idade aprendia a relativizar as coisas, dando razão a algumas vozes proféticas com as quais me fui cruzando.

Hoje não sou o mesmo Luís de há dez anos, pois as urgências e os contextos, feitos de sonhos, são obviamente diferentes. Sou um devoto de balanços. Sempre os fiz nos meus aniversários, principalmente desde o tempo em que juízo e a maturidade decidiram positivá-los e deixar-me, assim, voar no tempo pela força das palavras.

Somam-se-me vida e pessoas. São elas o mais importante de tudo. Assim, continuo a fazer-me delas nos dias particularmente especiais. Agradeço-lhes os anos carregados de felicidade e realização, feitos de mim, mas, sobretudo, dos outros. Sou todos os que me preza, amam ou simplesmente respeitam. Quero esquecer as tristezas e as desilusões. Quero fazer-me de vós, mais um ano. Quero-o aos 21, aos 31, aos 41, aos 51, e até onde o acaso da sobrevinda existência conseguir chegar. Tenho-vos, companheiros, como coisa certa na minha vida. Amo gente, faço-me de gente, porque sou gente, apesar de cada vez acreditar menos na inata bondade do ser humano.

As relações sociais e os sentimentos dos outros moldam-nos e limam-nos as arestas, tantas vezes carregadas de farpas. Hoje deixo-me encher do mundo que me rodeia, e homenageio-vos, amigos. Amigos fartos de familiaridade, consanguinidade, amor, respeito e companhia. Amigos de hoje e de ontem. Amigos que me seguem e me cultivam a alma de paz e carinho.

Aos 20 anos estou feliz. Não me lamento de me ter cruzado com algumas pessoas menos boas. Conheço-me melhor depois dos testes reais, objectivos, em frente às adversidades. Pena é que o corpo não maquina e não responde sempre da mesma forma aos acontecimentos análogos. Por isso, procuro sempre a novidade para ser maior. Nunca quis só idade, mas também maturidade e conhecimento. Não vivo (nem quero viver) numa bolha de sabão, onde a amargura não está. Não é masoquismo isto de que falo. É tão-só a racionalidade de perceber que não controlo tudo, muito menos as outras pessoas e os seus comportamentos.

Quero-te família. Quero-te amigo. Quero-te sonho. Quero-te vida, acima de tudo. Enquanto sorrir, andar e for fiel a mim próprio, garanto-me em corpo e alma. Parabéns a vocês, porque fizeram de mim um ser capaz de amar a soma de anos que hoje comemoro. Parabéns a mim, ao corpo, que conta tempo. Ao coração não chegam minutos nem as cronologias frias e matemáticas dos homens. Ao corpo chega tudo, porque é a barra de colisão imediata, é matéria. Parabéns ao interior e ao corpo, porque não festejam um sem o outro, tal e qual eu não vivo sem pessoas.

Vamos ser felizes juntos mais um ano e a seguir outro, até à eternidade.

Luís Gonçalves Ferreira

4 comentários:

Nádia Dias disse...

Ai. Como deves estar a adivinhar, estou literalmente babada com o dia de hoje, pois sabes que adoro festejar os dias importantes na minha vida! Como é um dos teus torna-se automaticamente um dos meus, o que me faz andar pela casa a flutuar, a reflectir nestas efemérides a nós tão queridas:

Gosto de ti: pelos dias a rir como se não houvesse amanhã.
Gosto de ti: por tornares uma ida para uma obrigação diária nos melhores momentos de sempre.
Gosto de ti: por seres em tantas ocasiões o meu espelho e, ao mesmo tempo, podendo irrisoriamente negá-lo se o quisermos, tão opostos e dogmáticos.
Gosto de ti: pelas longas horas em que me tornas aprendiz e devota, e pelas outras em que me sinto musa.
Gosto de ti: pelas que perdemos(ou ganhamos)a primar e a discutir essas diferenças.
Gosto de ti: por seres tão complexo, e para mim tão previsível (és-me igual).
Gosto de ti: pelos baldes de água fria.
Gosto de ti: por poder pensar em voz alta.
Gosto de ti: porque gosto de ti.
Gosto de ti: porque és meu Amigo.

Tanto basta. Muitos parabéns! :')

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Nádia Dias - Eu gosto de ti por isto e por tudo o resto que revela no calor das horas que passamos junto, entre risos e coisas sérias, com entre a loucura e as palavras sábias. Adoro-te, meu bem. Sinto que te conheço há décadas, o que só pode ser bom.
Beijo Enorme!

Anónimo disse...

EPA ISSO É QUE FOI!
Deixaste de ser TEEN...heheheh
qual é a sensação?

PaRaBéNs
p.s: já nos estou a imaginar com 40, 50, 60 anos a festejar no ritz, ou no hilton em Londres o teu aniversário! Podemos sempre ir no meu jacto privado heheh

Beijinhos meu grande amigo!

Dra Cromo Filosófica

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Di - Sabes que estás no meu coração. Hoje como sempre e para sempre. Adoro-te croma-filosófica (fui eu que te pus este nome :))