segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Vulgaridades...




Depois da já ter ouvido, dito, escrito, mas definitivamente ter escutado mais do que falado, expresso aqui e agora a minha exaustão em relação àquela expressão que tantas vezes é pronunciada nesta altura do ano.
Bem, antes de causar qualquer embaraço ou até alguma tristeza nos vossos corações derretidos por este espírito, pretendo fazer um wake up call (desculpem estes estrangeirismos. Não se assustem: continuo defensora acérrima da língua portuguesa.)
Eu sou assumidamente uma apaixonada pelo Natal pelos seus variados encantos, mas a verdade é que não me deixo ir nesta onda de amizade, amor, fraternidade e até um quê de piedade que para ser sincera irrita a pontinha do cabelo mais insignificante.
Desde já, uma das coisas mais vulgares, ordinárias é fazer os arranjos de Natal dois meses antes de tal evento. Porquê? É claramente a pergunta que impera na nossa cabeça, quando assimilada a informação captada. Não serão os tais enfeites uma forma de incentivar as compras natalícias? Se bem que como é óbvio o bom português deixa tudo para o fim.
Mais uma: Porquê que só nesta altura é que toda as pessoas se encontram empenhadas em ajudar o próximo? Não deveria ser todo o ano?
Sim, concordo: mais vale uma vez no ano do que nenhuma.
O que realmente me faz espécie e que lamento em pensá-lo e agora em dize-lo é que os dias 24/25 de Dezembro são os dias em que as pessoas se preocupam em realmente demonstrar os sentimentos nobres, para no dia 26 e seguintes voltarem ao normal. E, o que é o normal: é nosso quotidiano. É o que assistimos cada vez que pomos o pé na rua: desde mendigos a pedir dinheiro, pessoas a passar fome, guerras, discussões no trânsito, entre outros.
O que quero tirar destas ilações: deveriamos prolongar, esticar estes dias. Deveriamos dar mais do que 48 horas de amizade, compaixão, generosidade, altruísmo ao ano.
Não digo que Natal deveria ser todos os dias, pois mesmo que não se queira assumir, estamos sempre à espera de umas prendinhas no sapatinho e uma mesa recheada de doces. Por isto mesmo, não seria muito proveitoso por dois motivos: a conta bancária perderia o seu verdadeiro encanto e a nossa forma física nunca mais voltaria ao mesmo!
Mas, os sentimentos nobres poderiam estar sempre presentes em nós.

Não deixemos vulgarizar a expressão que acima referi como tantas outras. O significado de certas e determinadas palavras só são sentidas, quando pronunciadas com sentimento e não quando nos dá na gana.
Temos o privilégio de ter uma língua sentida, dura, nua e crua.
Até isso vamos deixar escapar?

Por isso, Caros Leitores, juntemo-nos, sim, no dia 24 de Dezembro, mas não é necessário, nem pretendido que no dia 26 nos separemos.

Comam, bebam, abram os presentes, sejamos felizes e reprodutores dessa alegria todos os dias do ano.

Um brinde à vida?

3 comentários:

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Um brinde à vida e ao Natal que, apesar de tudo, ainda faz as pessoas serem pessoas, na verdadeira acepção da palavra.

Beijo

Nádia Dias disse...

HONEY, I'M HOME! E sabiamente "atolambada" (aprendi isto um dia destes com o Luís). Agora é que posso mesmo dizer "Playing Princess..." ehehe :D
Não sejas assim: o Natal é todos os dias, sim senhora! Não me estragues a festa, esperei tanto por isto...e não te armes em indagadora da sociedade depressivo-deprimente, porque eu sei que estás ao saltinhos, sua gandula!

Diana Machado disse...

Estou mase aos saltinhos para receber o serie6 a portinha de minha casa...heheheh
É preto também? Isso faz com que tenha duas beyonces!!!

P.S a beyonce (1) já está a ficar ciumenta.