sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Tudo vale a pena...

MAR PORTUGUÊS

"Ó mar salgado, quanto do teu sal
São lágrimas de Portugal!
Por te cruzarmos, quantas mães choraram,
Quantos filhos em vão rezaram!
Quantas noivas ficaram por casar
Para que fosses nosso, ó mar!
Valeu a pena? Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena.
Quem quer passar além do Bojador
Tem que passar além da dor.
Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
Mas nele é que espelhou o céu. "
No decurso deste meu cansaço cerebral, físico e emocional lembrei-me deste poema para reunir esforços para continuar!
Lutar em vez de desistir: este é verdadeiramente o lema de nós portugueses. Há que seguir em frente, passar o cabo das tormentas para se chegar à parte boa.
Associo este nosso curso, caros nobres colegas, a este verso "Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. "
Talvez pareça um pouco exagerada esta minha associação, estes meus pensamentos, mas a verdade é que a próxima semana revela-se um pouco assustadora. A necessidade de querer sobreviver, de brilhar, de fazer juz às nossas capacidades, opõe-se a este sentimento de falhanço e cansaço.
Ainda continuo à procura do resto de oxigénio!
Quero voltar à desejada terra firme, mesmo que exista algo que dificulte. Não nos deixemos ir nas ondas que parecem gigantescas, mas que na verdade consistem numa pura construção abstracta na nossa mente.
"Tudo vale a pena se alma não é pequena".
Definitivamente, a nossa de pequena nada tem.

2 comentários:

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Dear Di, acho que escreveste aquilo que eu estava, ainda há pouco, a pensar. Esta nossa missão, quase Dantesca, é dificil de aguentar. Mesmo. Dou por mim em desesperos, onde a grandeza da alma em pouco ou nada conforta. Nunca pensei que viria a beber e servir-me destas nossas provações. Mas a nossa alma é grande e os nossos coração imensos. Se perdermos valores, notas ou posições, temo-NOS. E isso é reconfortante. Avante! Guerra à Teoria Geral e ao resto da Introdução que ainda te falta iniciar.

:)

Beijoooo

Diana Machado disse...

Meu amigo depois de ter ficado umas qauntas horas literalmente enfiada, embrulhada, desvirtuada, um pouco atarantada no meio de fotocópias, livros, apontamentos, Código Civil, pelo meio, posso afirmar-me a partir de agora que sou uma intelectual de gema, uma bibioteca, se bem que um pouco incompleta!!
Daqui a 2 anos e meio, sou a biblioteca de Direito, aliás somos!

Lembrei me agora lol
Eu não ando bem da cabeça