sábado, 10 de outubro de 2009

Recordar é viver!

Quem não se lembra do primeiro beijo? Guardo no meu baú a imagem duma rapariga traquina, com collants à Peter Pan completamente desfeitos de tanta canalhada e futebol. A franja já existia, faltava-me um dente e a saia aos quadrados vermelhos e verdes completava o panorama. Tinha o maior sorriso do Mundo e o espírito dum passarinho. Ele convidou-me para brincar. Timidamente anuí. Ofereceu-me um berlinde - qual anel de diamante lapidado! Cantamos juntos Françoise Hardy. Ao fim do dia deu-me um beijo e só aí é que me disse o nome.
É triste. Nunca mais o vi. Circunstâncias da vida não me permitiram voltar à mesma escola. Nunca soube se lhe parti o coração. Familiares ainda hoje me gozam, contando em noites de Natal que aos cinco anos já bradei e chorei apaixonada dias a fio, como uma alma penada sem eira nem beira.
Destarte, meu salteador da inocência perdida, se porventura do Fado calhares de ler isto, alvíssaras.
E vocês, companheiros da vida, ainda se lembram? :) Bom estudo *


9 comentários:

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Eu lembro-me, mas não vou expor a minha intimidade a esse ponto. Pronto, foi com uma Daniela (curiosamente o nome da minha irmã). Só me lembro do nome dela, mais nada. Nem roupa nem pormenores de gaja. Só sei que não foi nada de importante nem, muito menos, marcante.

Tu és uma mulher de paixões. Eu aprecio isso em ti, minha camarada.

Beijoca!

Nádia Dias disse...

Claro que sou. Qual maior liberdade senão o amor?

My darling. Achas que ele vai ficar ressentido por expôr assim a nossa intimidade? (Sinceramente, não foi marcante. Simplesmente, romântico.)

Beijaça!

Diana Machado disse...

O que fica marcado não é o primeiro são os seguintes. É sinal que a coisa correu benhe! heheh

PAH MIUDICES..dou te um beijinho e tu dás-me o teu bolo ou o teu sumo?
Fica se a ganhar duas vezes hein?!

Uma galdéria era o que era!

Nádia Dias disse...

DIANA, TU NAO TE LEMBRAS? Mas quem diria, estou rodeada de monstrinhos e nunca me tinha apercebido! E eu que pensava que era a estouvada-eterna-namoradeira do grupo! Ao menos eu só me dava por berlindes. Sumos? Tou pasma, nosso senhor Jesus Cristo, esta juventude faz de tudo para pagar os estudos!

Diana Machado disse...

Avizinham-se tempos complicados...
Eu simplesmente já sabia!

Vá, não quero tirar o romantismo à coisa, mas sabes que sou muito timida e só de me lembrar dessas coisitas até coro!!! heheheh

kiss babe

Luís Gonçalves Ferreira disse...

A Diana é uma capitalista da pior espécie. Acho que vou começar a ser contra o grande e capital (e as miúdas que trocam um beijo por um sumo ou bolo). Isso uma forma prosmícua de se ser capitalista. Diana, és uma vígara galdéria, assumidamente (e ainda alimentas esperanças nos corações dos pobres e humilhados membros do povo).

(Este discurso de Esquerda está-me a começar a dar vómitos, de volta ao Luís)

Acho que não ia ficar intimidado, mas humilhado quando te visse. Assim uma moça tão grande e moderna, que em nada se compara à catraia sem dente (quiçá bi-dente). Tens é essa queda para as paixões e boa memória, o que nem sempre é bom numa relação se quer saudavel e sustentavel.

Beijoca ohhh Camaradas!

Diana Machado disse...

"(Este discurso de Esquerda está-me a começar a dar vómitos, de volta ao Luís)" by Dr Luís Daniel Ferreira (o capitalista não assumido)

E a capitalista sou eu??
Para tua informação fui uma adepta da esquerda antes de começar a ter ideias de construir uma multinacional heheh

Para além de capitalista sou vigara e galderia assumida. Acrescentaria só mais uma pequena coisita: nunca pensei que conseguisse ser tão elogiada nesta minha vida terrena!

Ah e mais: quando precisares de uma colega para te desenrascar de uma vigarice qualquer (sim, porque os capitalistas não assumidos, mas que se enjoam a falar, sei lá, do Francisco Louça, cometem irregularidades em prol das suas vontades)não contes comigo!
Tenho dito.

Saudações capitalistas

Luís Gonçalves Ferreira disse...

Diana, eu sou o capitalista mais assumido do mundo. Isso justifica tudo, inclusivé a ironia presente em galdéria e vigara. Tu sabes.

Beijoca na pernoca, minha capitalista vigara*

Nádia Dias disse...

E com isto, mais uma vez me deparo com o facto de estar rodeada de ácaros velhos bodes e víboras. Tento tornar os nossos dias mais cor-de-rosa e dá nisto? A conversa começa no primeiro beijo e acaba em cenas de prostituição infantil e capitalismo assumido?
Destarte, fica preto no branco, escrito e descrito, que o curso vos tá a pôr tolinhos. Eu por cá continuo na minha nobre e amiga terrinha do Nunca. Bjinhos insípido-desgostosos.